Home » , , , , , » Livro aborda questões como perdas e partidas em poemas que refletem a solidão contemporânea

Livro aborda questões como perdas e partidas em poemas que refletem a solidão contemporânea

Por: Bookeiro Publish Em: 05/05/2018

Com lançamento ocorrido no último dia 25 de abril em Pelotas/RS, o livro "Ensaio Sobre A Solidão”, da poeta Fabíola Weykamp, trata sobre partidas e perdas - o tanto que as pessoas podem levar de nós em suas partidas necessárias e o tanto que também delas fica conosco, andando junto ao lado de nossa solidão. Lançado pela Editora Penalux sob o selo Poesia, o livro possui 128 páginas e já está disponível pela loja online da editora.

A obra aborda os desencontros com aqueles que alçam voos distantes e mostra que, após este intenso intercâmbio, o eu encontra-se novamente a sós. “De uma forma mais crua possível, o livro tenta conversar com o leitor sobre a solidão que todos sentimos em algum momento de nossas vidas, e ao conversar sobre ela, tem a pretensão de elaborar as consequências que nossas escolhas nos trazem e afetam a todos a nossa volta. Elaborar para curar, para resistir, para, enfim, seguir”, diz a autora.

Os poemas que compõem a coletânea são, como sugere o título da obra, pequenos ensaios que propõem formular, ressignificar, entender e falar sobre este sentimento tão dúbio, que por um lado é inevitável desfecho, mas também é impactante, carregado de dor, de saudosismo. Nesse sentido a obra de Weykamp ajuda a formular melhor aquilo que a princípio é puro sentimento, emoção em estado bruto, usando as palavras para delinear melhor o espaço que a solidão ocupa em nossas vidas.

“Um livro de poesias traduz a solidão naquilo que ela carrega de mais utópico e transcendental”, é o que pensa Weykamp. E finaliza: “Ensaio sobre a solidão é para todo mundo que foi e que veio; que virá e igualmente partirá. Eu tenho a ciência de contar o que ficou, o que meus olhos agarraram enquanto vocês estiveram na importância de cada um que foi e souberam ser no momento em que deveriam ser e puderam ser. Porque o inexplicável dessa vida é que, às vezes, simplesmente não se pode ser. Mas num momento futuro em que a gente nem espera se pode voltar para terminar de ser aquilo que faltou ser”.

“Ensaio sobre a solidão, da poeta Fabíola Weykamp, põe uma câmara clara sobre nunca estar só, passa os elementos da partida para dentro e o livro se transforma em estrada livre. Um livro de poesia que leva a palavra ensaio no título, só pode estar vivo como o calor do asfalto em que pisa enquanto anda. Fabíola percorre ao escrever, fingindo que espera pela água do mate. Olhando assim, de fora, parece que a poeta esteve à beira do fogo o tempo todo, escrevendo seus poemas embaixo do lustre, aquecendo-se do frio do sul, mas, a bem da verdade, foram quilômetros de coragem percorridos neste longínquo trajeto”, diz Morgana Rech, editora da Revista Subversa.

A editora Morgana Rech, autora do texto que vai à orelha do livro, acrescenta mais reflexão sobre este tema do fazer poético: “Nos envelopes, na hora de escrever o remetente, os poetas costumam errar de propósito. Isso porque todo endereçamento, na poesia, tem na matéria da letra o tom ficcional – às vezes mais, às vezes, menos. Se o poeta traz a grafia clara demais, nítida demais, sincera demais, diz demasiadamente para quem escreve, e só o  disfarce protege inteiramente a ficção. Neste livro, ao contrário, a poeta faz acrobacia em seu envelope. A letra é claríssima, o endereço é completo, mas, curiosamente, há uma proteção imensa nas paredes de cada poema. A ficção ergue-se em cada traço de letra e a clareira é transmitida com altivez e ironia”.

Fabíola Weykamp nascida em Brasília/DF, radicada em Pelotas há mais de vinte anos, é formada em Letras pela Universidade Federal de Pelotas (2013), atua como professora particular de Língua Portuguesa, redação e literatura, também atende em consultoria de revisão e copidesque de trabalhos acadêmicos, revisão gramatical e ortográfica e, mensalmente, assina a coluna “Astronauta de pulôver azul néon”, na Revista SubVersa (luso-brasileira), projeto abraçado pelas editoras Tânia Solano Ardito e Morgana Rech que respondem por Portugal e Brasil respectivamente. Em 2015, teve seu primeiro livro de poemas “Resenhas da Solidão – um livro de poesia e dor cotidiana”, publicado pela Editora LiteraCidade, Belém/PA; obra ganhadora do Prêmio LiteraCidade Jovem, 2014. O seu livro “Ensaio Sobre A Solidão” está à venda na loja online da editora (https://bit.ly/2JWzZwZ) por R$ 36,00.

“Acredito que é o leitor quem dá o valor à obra que ele consome, pois é ele quem faz a literatura ter um significado e, aqui no caso, é ele quem faz a poesia rodar estrada, expandir e encontrar o seu lugar no outro”, afirma a poeta. “Fico feliz à beça quando minha poesia, saída do meu quarto, invade uma casa distante e faz com que alguém se reconheça ou pense sobre si mesmo, sobre a vida, ou, em última instância, sinta-se incomodado com o que acabou de ler. Para mim, esse movimento é o ápice do que entendo por recepção literária; dá a sensação de que ela atingiu o seu objetivo social e pessoal”, conclui.

0 Comentários:

Postar um comentário

pesquisar

Nossos Parceiros