Home » , , , , » “Passagem”, novo livro de poesias da mineira Amanda Vital será relançado em junho

“Passagem”, novo livro de poesias da mineira Amanda Vital será relançado em junho

Por: J. B. Novare Em: 22/05/2019

Será relançado no mês de junho, em São Paulo, o segundo livro de poesias da poeta mineira Amanda Vital. A obra traz o título “Passagem” e reúne 25 poemas com temáticas entre amor, família, metafísica, religião, mitologia, linguagem e experiências pessoais. A edição é da Editora Patuá com cerca de 84 páginas. O relançamento será no dia 7, a partir das 19 horas, na Patuscada - Livraria, Bar & Café (Rua Luís Murat, 40 – Pinheiros). Haverá sessão de autógrafos e a obra será vendida por R$ 38,00. A entrada será gratuita.

“O livro tem poemas dedicados a alguns poetas que fazem parte das minhas leituras mais frequentes, como Sérgio de Castro Pinto e Marceli Andresa Becker”, diz a poeta. A orelha do livro foi escrita pelo professor e escritor Márcio Leitão, o prefácio foi feito pela escritora Ana Farrah Baunilha, e o posfácio é de Nuno Rau, escritor e editor da revista Mallarmargens. “Passagem” já está disponível pra venda no site da editora, pelo link: www.editorapatua.minhalojanouol.com.br/produto/23369/passagem-de-amanda-vital.

“O Passagem nasceu de um tipo de poesia que venho escrevendo desde 2016, que notei ser bastante diferente da poesia do meu primeiro livro. Percebi uma mudança no estilo e resolvi publicar uma seleção dos poemas que posto nas redes sociais e nos blogs, depois de algum tempo de estudos mais aprofundados sobre poesia dentro do meu curso”, diz a poeta. O intuito do livro é marcar uma “passagem” de estilo, marcar esse novo caminho que em que a autora vem construindo e que tem lhe deixado mais confortável e satisfeita.

“Na página em branco da escrita, Amanda Vital cria as mais belas metáforas. Como se o vazio fosse a inspiração para o escritor dar o gatilho nas palavras, seus versos revelam a maestria que envolve o silêncio nos novelos criativos da poesia que une o concreto e o abstrato em versos inusitados e originais. Sua linguagem fala da natureza, mas também das regiões longínquas da psique. O vão e a lacuna são o intervalo necessário para que a voz produza seus gemidos e gritos. Amanda Vital percorre as palavras com seu corpo afinado com as reticências e reentrâncias da urdidura textual”, escreve Alexandra Vieira de Almeida.

Amanda Vital tem 23 anos, é de Ipatinga (MG) e mora atualmente na capital Belo Horizonte, onde cursa Letras (Bacharelado em Estudos Literários) na UFMG, curso que iniciou na UFPB. Entre 2014 e 2016, participou do grupo Aedos de declamação, em João Pessoa. Atualmente, faz parte do conselho editorial da revista de literatura e arte Mallarmargens e posta seus poemas nos blogs coletivos Zona da Palavra, Equimoses e em seu blog pessoal, Amanda Vital Poesia. Também tem poemas publicados em revistas e jornais literários como Relevo, Ruído Manifesto, Germina e Literatura e Fechadura. O seu primeiro livro publicado foi “Lux” (Editora Penalux, 2015), que traz um compilado de poemas que Amanda escreveu entre 2014 e 2015, com seus primeiros trabalhos e experimentações com poesia.

“E vejo a instigante foto de uma garota de apenas 23 anos. Ela parece estar em um parque de diversões. Foi flagrada no instantâneo da fotografia de olhos fechados, como se estivesse a sonhar com aqueles brinquedos ou, quem sabe, muito longe dali a sonhar outros universos? Impossível dizer pela foto, mas não pelo que essa mesma garota escreve […] A garota chama-se Amanda Vital. E o poema é o que abre o seu novo livro de poesias. Passagem reúne apenas 25 poemas nos quais fica patente, dentre outras coisas, a forte sensação de que a poesia, numa abordagem primeira, é aquilo que se entende pela linguagem dos sentimentos. É como se, nela, se pudesse ou se possa recriar o que se sente, funcionando esta como um veículo transmissor daquilo que não conseguiríamos, de outra forma, expor”, trechos da resenha de Krishnamurti Góes dos Anjos, sobra a obra.

0 Comentários:

Postar um comentário

pesquisar

Nossos Parceiros