Home » , , , , » Professor Marcello Gabbay documenta em livro os 100 anos de memória do carimbó na Ilha de Marajó

Professor Marcello Gabbay documenta em livro os 100 anos de memória do carimbó na Ilha de Marajó

Por: Bookeiro Publish Em: 20/12/2017

Será no dia 11 de janeiro de 2018, uma quinta-feira, o lançamento do livro “Música Popular e Comunicação Poética: Uma História do Carimbó No Marajó”, do professor paraense, radicado em São Paulo, Marcello Gabbay. A publicação, resultado de quatro anos de pesquisa de doutorado e viagens ao Arquipélago, documenta 100 anos de memória sobre a prática do carimbó em Soure, a maior cidade marajoara. O livro foi publicado pela Editora Appris com 323 páginas e o lançamento acontecerá na Livraria Fox (Travessa Doutor Moraes, 584 - Nazaré) a partir das 18 horas, em Belém/PA.

“Música Popular e Comunicação Poética: Uma História do Carimbó No Marajó” é divido em quatro dimensões: a Estética, a Comunicacional, a Ritualística e a Política, entrecortadas por relatos de campo e pela fala dos mestres e mestras da vida sourense. Além disto, apresenta dois grandes temas: primeiro, “a recuperação da história do carimbo sourense”, e em segundo lugar, “a afirmação da música popular como uma poderosa forma de comunicação poética”, cuja força vinculativa ultrapassa a dos mecanismos tradicionais de comunicação, como o rádio e a imprensa.

Para o professor, o carimbó deve ser entendido “não como folclore, não apenas como manifestação popular, não apenas como dança ou música ‘de raiz’, mas como expressão, como comunicação. E enquanto linguagem poética, o carimbó do Marajó expressa um valor estético, cuja função poderemos classificar como política ou engajada se tomamos em conta, acima de tudo, sua potência vinculativa”, ele diz.

O prefácio do livro foi feito pelos orientadores do trabalho realizado na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), os professores Raquel Paiva e Muniz Sodré, e o sociólogo francês Michel Maffesoli, que mantém uma forte conexão com Belém, já tendo orientado teses de Fábio Castro e do poeta João de Jesus Paes Loureiro – ambos pesquisadores da UFPA. Em 2013, a tese que originou o livro recebeu o prêmio Clóvis Meira de Monografias, concedido pela Academia Paraense de Letras (APL). A pesquisa foi construída ainda com a colaboração de intelectuais marajoaras, como Amélia Ribeiro, Anderson Costa, Ronaldo Guedes, Cilene Andrade e Aílton Favacho. Antes de ser lançado, alguns capítulos do livro foram publicados no exterior, como por exemplo, na revista científica “Revue Sociétés”, da França, e expostos em congressos em Portugal, Peru, Uruguai e Turquia.

Marcello Gabbay é paraense, neto de um filho de Afuá, originário dos judeus emigrados do norte da África no século XIX. É músico, e sua relação com o Marajó coincide com sua própria história. O autor passou a caminhar pelos campos marajoaras mais frequentemente a partir de 2004, quando trabalhou em projetos de comunicação popular no Tucumanduba, zona caranguejeira de Soure. Ex-funcionário da Embrapa, Marcello também trabalhou com apoio à pesquisa agropecuária em Salvaterra e Cachoeira do Arari.

Em 2010, o documentário “Muiraquitã”, de Zeca Ligiéro, o levou a um mergulho nas encantarias de Soure. Três anos antes, a pesquisa de Mestrado em Comunicação e Cultura pela UFRJ tinha relatado a realidade da comunicação radiofônica na mesma cidade. A paixão por Soure fez com que o carimbó dos Mestres Diquinho, Regatão, Chicão e Biri fosse o pano de fundo pro projeto de Doutorado, também na UFRJ, com estágio sanduíche na Université Paris V, a Sorbonne.

0 Comentários:

Postar um comentário

pesquisar

Nossos Parceiros